Vamos falar de DataStorytelling

Você certamente já leu em algum lugar que o mundo – hoje – é um local habitado por uma colossal quantidade de dados, certo? Muito por conta de que cada ser humano de posse de um device digital é um “produtor” de dados de certa maneira.

No entanto, de nada adianta um oceano de dados se não conseguimos dar um fim útil para eles. É fundamental que dados virem informação e – consequentemente – que informação vire conhecimento. Filtrar, selecionar, visualizar e arquitetar são alguns verbos essenciais para trabalharmos com estas enormes quantias de dados.

Entre as múltiplas possibilidades de se trabalhar na área, há uma que vamos detalhar nesse post: trata-se de DataStorytelling. De maneira bastante sintética, DataStorytelling consiste em utilizar dados para dar forma em uma narrativa; consiste em usar texto, imagem, gráficos etc. para materializar – de maneira mais intuitiva – uma série de dados brutos. Ou, na definição do site Smartalk: “A ideia de Data Storytelling consiste na aplicação das técnicas de storytelling para contar histórias com os dados de uma empresa. Gráficos, infográficos e visualização de dados (por meio de softwares como Power BI e Tableau) são fundamentais para vender uma ideia. Mais do que mostrar estatísticas, contar uma jornada (narrativa) sobre os dados que estão sendo exibidos”.

Um exemplo muito interessante dessa modalidade é o caso de um jornal estadunidense que utilizou uma série de dados baseados em pessoas de uma determinada cidade para contar – a partir do sobrenome das mesmas – uma história da imigração latina no território americano:

Sintetizando estas ideias em um modelo gráfico, o site Boxnet apresenta uma imagem bastante didática sobre o tema:

Para aprofundar mais sobre o assunto, fica a dica do site Storytelling with data, um compêndio fantástico de casos e técnicas que utilizam essa ferramenta para criar engajamento por meio de narrativas. E se você quiser mergulhar mais fundo ainda no tema, não deixe de ler o livro “Data Story: Explique dados e inspire ações por meio de histórias“; além de ser uma leitura rápida, é fonte de inspiração para quem quer saber mais de DS.

E fica o convite para pensar como adicionar narrativa em seus dados para tornar sua apresentação/texto mais enjagador.

Somos todos ciborgues?

Por Vicente Martin _____________________________ Ao  observarmos  o quanto de tecnologia travamos contato em nosso cotidiano, podemos  levantar  o  seguinte  questionamento: estaríamos, nós humanos, nos