Inteligência artificial em games: os primórdios

Inteligência artificial para jogos é a aplicação de técnicas e algoritmos que permitem aos personagens e elementos do jogo exibirem comportamentos autônomos e adaptativos. Isso envolve a criação de sistemas capazes de tomar decisões, aprender com a experiência, reagir a estímulos do ambiente do jogo e interagir de forma inteligente com os jogadores. A inteligência artificial para jogos busca proporcionar desafios, realismo e entretenimento aos jogadores, permitindo que os personagens não controlados por humanos ajam de maneira inteligente e convincente, tornando a experiência de jogo mais imersiva e envolvente. Há sistemas básicos e sistemas extremamente complexos.

Os primeiros jogos a utilizar inteligência artificial (IA) remontam aos primórdios da indústria de jogos eletrônicos. Um dos primeiros exemplos foi o jogo “Spacewar!”, desenvolvido em 1962 por Steve Russell e sua equipe do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). Embora não tenha sido especificamente projetado com IA, o jogo apresentava comportamentos controlados por computador para os oponentes controlados pela máquina, oferecendo uma forma primitiva de simulação de comportamento inteligente.

Outro marco importante na aplicação de IA em jogos foi o “Chess”, desenvolvido pelo programador Arthur Samuel em 1951. Ele criou um programa que aprendeu a jogar xadrez ao ser exposto a diferentes posições do jogo e avaliar suas opções de movimento com base em um conjunto de regras. Essa abordagem de aprendizado de máquina foi pioneira e pavimentou o caminho para futuras implementações de IA em jogos.

Na década de 1970, o jogo “Colossal Cave Adventure”, criado por Will Crowther e Don Woods, introduziu personagens não jogáveis (NPCs) que interagiam com o jogador de forma inteligente. Os NPCs eram capazes de entender comandos de texto e fornecer respostas contextuais, dando uma sensação de interação mais realista.

Ao longo das décadas seguintes, a IA em jogos evoluiu consideravelmente, sendo aplicada em diversos gêneros e contextos. No entanto, isso é assunto para um próximo post!

Boas referências para UX e UI

Uma das disciplinas introdutórias do curso de Ciência de Dados e Negócios da ESPM é a de UX/UI. Nela, os estudantes estudam os princípios