VRChat: o metaverso que já estava aqui

Quando alguém fala sobre realidade virtual e o metaverso, os nomes que mais ouvimos são Microsoft, Meta, Nvidia e Google. Algumas destas empresas já estão testando a introdução de suas próprias plataformas VR em comunidade, por exemplo a Horizon Worlds da Meta. No entanto, existe uma comunidade que já está há tempos realizando tais práticas e criando diversas formas de conteúdo em metaverso, nas mãos de seus próprios usuários – e de graça: o VRChat.

O VRChat é um mundo virtual online criado por Graham Gaylor e Jesse Joudrey. É operado pela VRChat Inc., tendo sido aberto pela primeira vez em 2014. A plataforma é acessível por headsets VR como o Oculus Rift e o Oculus Quest, mas também possui um modo desktop para mouse e teclado. Dentro dele, milhares de jogadores têm a oportunidade de criarem seus próprios avatares 3D e mundos inteiros nesse formato artístico também.

Esse modo criativo e colaborativo deseja fomentar o nascimento de uma grande comunidade apaixonada, que se dedicou a expandir aos extremos o mundo da plataforma. Hoje, você pode encontrar no VRChat cenários fantásticos que vão de montanhas geladas ou quartos de hotéis de alto luxo, avatares dos jogadores podem ir de um modelo de um ser humano muito realista até uma garrafa de vinho falante. Existem até mesmo diversos mini-jogos desenvolvidos pela própria comunidade.

No entanto, o VRChat se encontra numa posição difícil com o avanço da tecnologia de metaverso, já que como depende do hardware de grandes empresas pode eventualmente ser forçado a se adaptar ou submeter a elas e perder a liberdade que sua comunidade ama tanto. 

Diferenciando protótipo de MVP

Embora frequentemente confundidos, o protótipo e o MVP (Produto Mínimo Viável) assumem funções distintas no processo de desenvolvimento de produtos, especialmente no contexto de