Já ouviu falar de chiptune?

Por Carlos Rafael Gimenes das Neves

“O melhor” ou “o pior”? Expressões comumente utilizadas no dia-a-dia, mas que não poderiam ser mais subjetivas. Por trás de cada pergunta “qual é a melhor X?”, ou “qual é o pior Y?” sempre mora uma esperança do interlocutor em receber uma resposta que agrade, ou uma resposta que evite uma grande frustração. Por exemplo: “qual é o melhor bolo de cenoura do mundo?”. Como saber? Há quem prefira um bolo mais macio e há quem prefira um bolo mais consistente. Então, será que existe mesmo como determinar qual seria o melhor bolo de cenoura do mundo? Particularmente, eu acredito que esse tipo de pergunta subjetiva nunca terá uma resposta correta, já que a resposta varia conforme os gostos ou desejos de quem responde!

Mas, será que não é mesmo possível descobrir “o melhor X do mundo”? Do ponto de vista qualitativo, como “o melhor bolo de cenoura do mundo”, acredito que sempre cairemos na situação anterior. Mas, e do (ponto de vista quantitativo)? Será que não é possível determinar “o melhor X do mundo”?

Por exemplo, se assumirmos que para um YouTuber ser bom ele precisa ter seguidores, o critério de quantidade de seguidores seria o indicador para determinar qual é o melhor YouTuber do mundo. Logo, sem discussão, seria 100% seguro dizer que o melhor YouTuber do mundo é X, porque é quem tem mais seguidores no mundo todo? De novo nos deparamos com “o melhor do mundo”. Em qual sentido “o melhor do mundo” é usado aqui? Se a pessoa procura alguém que ensine receitas de bolo, e o YouTuber com mais inscritos do mundo não ensina qualquer tipo de receita, então de nada adiantaria assistir o canal desse YouTuber, e seria preciso procurar outro!

Honestamente, ser o YouTuber com a maior quantidade de seguidores do mundo só significa que o YouTuber tem mais seguidores do que qualquer outro YouTuber. É um indício de que o conteúdo dele ou dela seja popular entre uma parcela grande da população mundial, mas isso não significa que o conteúdo produzido agrade a 100% das pessoas (unanimidade). E essa é uma confusão comum: achar que “o melhor do mundo” seja algo unânime. De novo, do ponto de vista quantitativo, é possível, sim, determinar qual YouTuber do mundo tem mais seguidores, qual é a playlist mais ouvida do mundo no Spotify, qual é a fabricante de carros que vendeu mais unidades na história do mundo e por aí vai. Esses dados são incontestáveis, mas será que provam que X é “a melhor” playlist do mundo, ou que Y é “a melhor” fabricante de carros do mundo? Se ser “o melhor” significa ter mais ouvidas ou ter mais vendas, então X é “a melhor” playlist do mundo e Y é “a melhor” fabricante de carros do mundo, mas não significa que sejam unânimes, e que agradem a 100% das pessoas do mundo! 😅

Seria possível seguir a mesma linha de raciocínio para vários outros tópicos, como time de futebol, marca de cerveja, estilo musical… Qual é o estilo musical mais ouvido no mundo todo? Então seria esse “o melhor” estilo musical do mundo?! 🤔 Acho que já deu para perceber meu intuito em fazer uma provocação aqui. 😅 É possível, sim, medir quantitativamente quem é “o X com mais Y do mundo”. Mas, de forma subjetiva, é muito difícil, e talvez impossível, dizer qual seja “o melhor” X do mundo unanimemente.

Gosto musical é algo muito particular de cada pessoa, sendo que há pessoas que sequer gostem de música, não importando o tipo! 😱

Novamente, indo na linha quantitativa, é fácil mostrar que a (música pop) e suas variações são estilos ouvidos por uma grande quantidade de pessoas mundo a fora. Tomando a plataforma Spotify como referência, basta acessar aqui para conferir! 😅

Ainda assim, nem só de música Pop vive a indústria musical. O Pop pode ter muitos ouvintes e apreciadores, mas não é unânime. Tem quem prefira algo mais melodioso, algo com uma letra mais tocante, algo com mais gritos!

Existem tantos estilos musicais que fica até difícil enumerar todos. Como não poderia deixar de ser, existem estilos musicais que não são de gosto da maioria das pessoas, mas que têm comunidades inteiras de fãs, produtores e compositores. São estilos focados em nichos específicos. Pode parecer meio paradoxal, mas existem muitos estilos musicais que são ouvidos por uma quantidade relativamente pequena de pessoas, quando comparada à quantidade de pessoas que ouvem música Pop. 😅 Dentre todos esses estilos de nicho, existe o Chiptune, também conhecido como chipmusic ou chip music.

O Chiptune é um estilo musical que consiste em produzir músicas a partir de chips sintetizadores, ou chips processadores de áudio, provenientes de computadores / consoles caseiros / máquinas de arcade antigas! Por isso o Chiptune também é conhecido como “música de 8 bits”, remetendo ao tamanho da palavra utilizado por esses chips.

Para quem nunca viu, eis alguns exemplos famosos de Chiptune do YouTube:

Pessoalmente, conheço o Chiptune há muitos anos, mas não sou fã de todo tipo de produção Chiptune. Como o Chiptune é mais uma “forma de produzir música” do que um “estilo” propriamente dito, existem músicos de vários estilos que se utilizam da técnica do Chiptune para produzir suas músicas. Então, existem músicas com um tom mais pesado, outras com um tom mais leve, mais lentas, mais aceleradas, mais “tristes”, mais “felizes” e por aí vai!

Graças a plataformas como o YouTube, todos têm a oportunidade de demonstrar seus talentos para o mundo, sem a necessidade de “ser descoberto por uma grande gravadora” como ocorria décadas atrás.

Eis que, para minha surpresa, conversando com um dos alunos do curso de Sistemas de Informação da ESPM, descubro que ele é um produtor musical de mão cheia, e que ele produziu um álbum inteiro em Chiptune. 😱

Não sei o que mais me espanta na criatividade dele: a melodia da música, ou o nome de cada faixa do álbum (eu jamais pensaria em um título como “Shouts of Sadness and Joy of the Withered Leafgod”)! 😅

Se perguntarem qual é minha faixa favorita do álbum, por mais que seja uma resposta meio clichê, eu preciso dizer que é justamente a faixa 1, “Apocalypse of the Phaneron”. Mas tem um motivo!!! Essa é a música que ele e o grupo utilizaram como tema de um jogo autoral deles, criado lá no distante ano de 2020, para a disciplina “Projeto Interdisciplinar I”. Quem quiser dar uma olhada no jogo, pode acessar ele aqui, e o código, aqui.

Para quem quiser conhecer o álbum, além de estar no Spotify, também pode acessar pelo YouTube:

E aí, já conhecia o Chiptune? Gosta desse estilo de música? Corre lá no Instagram do curso e compartilha sua visão com a gente!

* Por curiosidade, se quiser acessar a lista dos mais inscritos do YouTube, é só acessar aqui.

Boas referências para UX e UI

Uma das disciplinas introdutórias do curso de Ciência de Dados e Negócios da ESPM é a de UX/UI. Nela, os estudantes estudam os princípios