Bitcoin e Blockchain

O que é Bitcoin?

O Bitcoin é uma moeda virtual, também chamado de criptomoeda. É basicamente um tipo de dinheiro virtual que não possue centralização para controle de suas trocas comerciais, como um banco por exemplo.

O nome “bit” faz referência a uma rede de compartilhamento ponto a ponto (P2P) chamada BitTorrent, em que todo usuário é anônimo e possui o mesmo valor. É assim também que acontece com todas as outras criptomoedas existentes, as suas transações não possuem regulamentação e todos os usuários são igualitários entre si.

Como adquirir criptomoedas?

Existem algumas maneiras de adquirir diversas criptomoedas, o jeito mais simples seria através de uma corretora, onde seria possível depositar sua moeda local e eventualmente trocar por uma moeda, parecido com uma ação. Geralmente, estas corretoras também permitem que você troque uma criptomoeda por outra, além de vendê-las pela cotação atual de mercado. Outra maneira, muito mais complexa, é sendo um minerador de bitcoin, adquirindo a moeda em troca de prestação de serviços em prol da segurança das transações (isto engloba o tema de Blockchain, que será explicado abaixo).

Blockchain

Blockchain é basicamente o que possibilita a existência e funcionamento de criptomoedas, é uma rede que funciona por meio de blocos encadeados muito seguros que carregam um conteúdo junto a uma impressão digital, que no caso de criptomoedas, é a transação financeira. A sacada é que o bloco posterior sempre terá a a impressão digital do anterior, junto do seu próprio conteúdo (transações), e assim, criar sua própria impressão digital.

Aprofundando um pouco nesse complexo tema, é essencial entender quem valida estas transações. Como dito anteriormente, não há algo ou alguém que regule o mercado de criptomoedas, e é exatamente por isso que o Blockchain é visto como algo tão revolucionário, pois faz com que haja uma tremenda segurança dentro deste ecossistema.

Dentro da rede de Blockchain, também existem vários “nós”, que agrupam participantes que possuem o mesmo interesse, que no caso, é transferir dinheiro. Estes nós podem ser transacionais, que no caso geram o bloco, ou pode ser mineradores que validam o bloco gerado. É agora que voltamos ao termo “minerador de bitcoin”, pois é importante salientar que quem valida o bloco recebe uma recompensa, logo, é daí que surge o termo “minerar bitcoin”.

Um dos conceitos que fazem o Blockchain ser tão seguro é a prova de trabalho (POW, na sigla em inglês). Os mineradores entregam espaço de processamento e capacidade de seus computadores para resolver cálculos matemáticos complexos em prol de validar um bloco, e assim receber recompensas, no caso bitcoin. Além disso, outros usuários da rede podem confirmar se a validade está correta.

Algumas vantagens do Blockchain:

  1. Privacidade: As transações são verificadas e suas informações são públicas, e partes sensíveis de informação podem ser ocultadas sem prejudicar a validação do bloco.
  2. Contrato inteligente: Um documento não pode ser alterado depois de escrito, é possível autorizar transações de acordo com termos estabelecidos.
  3. Consenso: As informações são validadas pelos participates da rede, e não podem ser fraudadas.

Vantagens e Desvantagens das Criptomoedas

Dentre as vantagens, podemos citar a ausência de governo ou banco para modificar o funcionamento e quantidade da moeda. Também podemos citar o baixo número de transações que ocorrem quando comparado a transações de moedas “do mundo real”.

As desvantagens de uma moeda virtual estão atreladas a instabilidade, visto que é um mercado que não possue encerramento ou intervalos, em questão de minutos pode haver uma queda gigantesca no valor de uma criptomoeda, visto que tudo ainda é muito especulativo.  Além de também a desconfiança que trás para quem ainda não se familiarizou muito com o sistema  de Blockchain. E por fim, o fato de ser algo oposto a muitos governos, visto que não há regulamentações por parte dos mesmo, o que acaba gerando uma dúvida se isso de fato é o futuro, ou apenas um delírio momentâneo. 

Fontes:

Por Marcelo Lima

Somos todos ciborgues?

Por Vicente Martin _____________________________ Ao  observarmos  o quanto de tecnologia travamos contato em nosso cotidiano, podemos  levantar  o  seguinte  questionamento: estaríamos, nós humanos, nos