Inovação protegendo a história

Na cidade de Helensburg na Escócia é possível achar uma intrigante construção na forma de uma casa conhecida como a Hill House, construída em 1900 por um inovador  designer de interiores e arquiteto chamado Charles Rennie Mackintosh e a artista Margaret Macdonald Mackintosh. Para uma estrutura que foi feita há mais de 100 anos atrás, o interior e exterior parecem muito mais modernos do que o período que foram feitos, e incorporam técnicas de construção visionárias para o período com um impressionante aspecto artístico incorporado em suas diversas partes. 

No entanto os materiais usados para a criar a casa não se provaram suficientes para salvá-la da destruição iminente nas mãos das várias chuvas pesadas do país, fazendo com que a National Trust for Scotland, a organização responsável por preservá-la e vários outros monumentos históricos na nação, procurasse uma maneira nova de protegê-la. 

A maneira de realizar essa tarefa foi a invenção de uma estrutura que cerca a casa inteira como se fosse uma enorme jaula, mas que na verdade serve para permitir que a chuva não a atinja por cima com um grande telhado, e pelos lados quase nada passe através de uma rede feita na base de um conceito coincidentemente bem histórico: a cota de malha. Essa combinação protege a casa de 86% dos elementos ao seu redor, e a rede feita com mais de 30 milhões de anéis de ferro interligados, pesando por volta de 8 toneladas, faz com que a chuva não passe para dentro mas permite que o ar e pequenos insetos que polinizam os jardins ao redor da Hill House possam passar. O propósito dessa enorme grade é permitir que a Hill House possa se secar e evitar o decaimento e dissolvimento de seus materiais, que poderia acabar nela desmoronando completamente, sem ter que depender de fechá-la completamente, o que traria seus próprios problemas e danos.

Atualmente novos visitantes já estão sendo permitidos e a grade tem feito bem seu papel na medida que a Hill House cada vez mais passa a recuperar sua antiga glória.

Somos todos ciborgues?

Por Vicente Martin _____________________________ Ao  observarmos  o quanto de tecnologia travamos contato em nosso cotidiano, podemos  levantar  o  seguinte  questionamento: estaríamos, nós humanos, nos